JamHub: Uma nova opção para ensaios e gravações ao vivo

O JamHub BedRoom é um sistema de estúdio de ensaio silencioso que permite aos músicos ensaiarem praticamente em qualquer lugar.

O equipamento é uma espécie de mixer, com um design pra lá de hi-tech, que permite aos músicos, por meio de fones de ouvidos, ouvirem uns aos outros, com controles de volumes independentes. Ou seja, cada um pode controlar sua própria mixagem da maneira que lhe convém.

o JamHub está disponível em três modelos, BedRoom, GreenRoom e TourBus. O primeiro e mais simples deles permite conectar até cinco instrumentos, enquanto os demais fazem até sete conexões.

 

O GreenRoom e o TourBus têm como diferenciais, se comparados ao BedRoom, a possibilidade de serem ligados via USB a um computador, que, desse modo, serviria como plataforma de gravação para as sessões de ensaios. O TourBus tem, ainda, a capacidade de armazenar tais performances internamente, por meio de um cartão SD.

Os três modelos têm outras características interessantes, como o controle individual do volume de todos os instrumentos – minimizando, com isso, as clássicas “brigas de volume”, bastante comuns em salas de ensaio – e a possibilidade de inserir nos canais de microfones efeitos como reverbes e delays.

Confira as especificações técnicas aqui!

Abaixo, um vídeo para você entender como o negócio todo funciona:

Com bateria eletrônica:

Com bateria acústica:

O Jam Hub é distribuido pela Um Instrumentos e comercializado nas principais casas do ramo.

Anúncios

Filme sobre Bob Marley deverá sair em abril

O novo documentário, Marley, dirigido por Kevin MacDonald está agendado para lançamento em 20/04/2012.

Marley é a primeira produção a ser apoiada pela família Marley, bem como pelo idealizador Chris Blackwell, que deve fazer retrato bem fiel da história de vida de Bob Marley: ” o músico, o revolucionário e a lenda, desde seus primeiros dias até a sua ascensão ao estrelato internacional “. Utilizando imagens raras, fotos de arquivo, performances incríveis e entrevistas com sua família, amigos e companheiros de banda. Blackwell é o produtor ao lado do filho de Bob Marley, Ziggy Marley.

Antes do lançamento oficial, o filme vai estrear no Festival de Cinema de Berlim, no final deste mês e SXSW no próximo mês.

Confira o trailer do filme logo abaixo:

iRig – Praticidade até na hora de tocar

Olá, pessoal.

Inaugurando uma nova sessão aqui no Garimpo Sonoro, vamos falar de um gadget muito bacana que chegou a pouco tempo no mercado e que, cada dia mais, vem chegando para ficar.

Estamos falando do iRig.

O iRig é um aparelhinho simples, que faz o seguinte: conecta a sua guitarra ao iPad ou ao iPhone.

Ok, mas até aí, o que isso tem demais?

Simplesmente ele te abre um leque gigante de opções. A cada dia novos aplicativos feitos para essa interface aparecem nas Apple Stores e suas genéricas. Vemos desde aplicativos que emulam amplificadores e pedais até verdadeiros estúdios virtuais. Pretendo falar mais a respeito de cada um deles aqui portanto, serei mais superficial neste primeiro post. Vamos nos atentar ao iRig propriamente dito.

Abaixo vocês podem conferir na imagem que é um aparelho bem simples.

Como vocês podem ver, de um lado você tem uma entrada P10, onde você conectará a guitarra. Do outro, você tem uma entrada para fone de ouvido (P2 – que você pode ligar no seu sistema de som ou na entrada de sua placa de áudio, utilizando um adaptador P2 / P10) e uma saída P2 que você utilizará para ligar no Ipad ou no iPhone.

Feito o link, você poderá optar por diversos apps nas stores para utilizar o seu iRig. o Amplitube, que é o software original do brinquedinho, você pode encontrar na versão Free e a paga, que custa U$ 9,99.

Quase todos os apps, inclusive, você poderá encontrar nas versões Free e pagas. É claro que para tirar o máximo do seu iRig o ideal é optar pelas versões pagas. utilize as versões free apenas para conhecer o app (em breve passarei a relação dos meus apps preferidos).

Além dos apps, o iRig já conta com outras opções interessantes, como o iRig Stomp, o iRig Mic, o iRig Pre, o iRig Mix e o iRig Mic Cast. O primeiro serve para você ter mais liberdade para tocar, podendo ligar os efeitos utilizando um ou vários pedais.

O Mic serve para quem quer aproveitar e gravar uns vocais nos apps estúdios, como o Garage Band. O restante você já pode ir imaginando que dá pra ir longe, né? Tem pra tecladista, pra DJ, pra tudo…

Portanto, para você que não tem mais saco pra carregar tranqueiras e gosta de arriscar em algo novo. Talvez a solução para você seja o iRig.

Fique ligado… esse será um assunto muito abordado daqui pra frente em nosso blog.

Abraços e até a próxima!

ONELOVE ‘marley project’ – Nova roupagem para os sucessos de Bob Marley

Uma seleção de músicos brasileiros com mais de 15 anos de carreira nacional e internacional, reunida para homenagear o jamaicano que é um dos maiores músicos de todos tempos.

Os grandes clássicos de ‘Bob Marley and The Wailers‘ em arranjos únicos e inovadores, construídos cuidadosamente com muita criatividade e dedicação, e que contam com um melodioso violoncello, vocais afiados e percussões inusitadas.

Essa é uma banda que vale a pena ficar ligado e seguir os passos. A banda promete levar a brincadeira adiante com o ‘Beatles Project’ e outras novidades.

Abaixo um vídeo dos caras do One Love em ação:

Saiba mais no site oficial da banda: onelovemusic.com.br

Red Soul Community – Rocksteady de responsa

Dando uma passeada pela internet procurando referências de vocal feminino para uma banda de Ska e Rocksteady, acabei me deparando com essa banda super afinada de Granada.

Capitaneada por Isabel Garcia nos vocais e contando com Carlos Dingo (teclados), Fede Castro (guitarras), Labase Martinez (baixo) e Nano Diaz (bateria) a banda conduz um som jamaicano de primeiríssima qualidade.

Os caras do Red Soul Community em ação

A banda ainda se preocupa com os timbres, que nos arremessam direto às decadas de 50 e 60, quando o Rocksteady surgia na ilha caribenha.

Pra começar, já jogue no player as faixas That Groove, Lost In The Ocean (3rd Round) e What Are You Doing? (que dá nome ao álbum!) Mas siga em frente… o álbum todo é uma pedrada.

Vai bem com cerveja, praia, estrada, surfe e boa companhia!

Vale a pena e muito conhecer o som da banda:

o site oficial dos caras: http://www.redsoulcommunity.com/

o myspace dos caras: http://www.myspace.com/redsoulcommunity

um video dos caras em ação:

Até o próximo post!

Apanhador Só – Nova safra gaúcha

É muito legal quando a garimpada vai fluindo… Confesso que fiquei um tempo sem escrever devido às minhas ocupações profissionais, mas também um pouco por não achar muito o que comentar! Mas agora parece que as coisas estão melhorando novamente. O pessoal apostando um pouco mais na internet e, com gravações de qualidade mais acessíveis para projetos independentes, acabamos tendo a feliz sorte de encontrar bandas como as que tem aparecido aqui no blog ultimamente.

E esse é o caso da banda Apanhador Só.

Banda do Rio Grande do Sul, nitidamente influenciada por Los Hermanos e pelo rock moderno mundial, trás uma sonoridade incrível. Com letras bacanas e inteligentes, o álbum nos convida a apreciá-lo em seu interim (o que estou fazendo nesse exato momento, inclusive!)

Destaque para as faixas Um Rei e o Zé, Bem-Me-Leve (que parece ser uma das músicas de trabalho, e que está entre as 10 mais ouvidas da Trama Virtual) e E Se Não Der não desmerecendo o restante do álbum, que a banda disponibiliza gratuítamente no site oficial e pela Trama Virtual.

Os caras do Apanhador Só em ação

Vale a pena conhecer. Vamos às informações:

Site oficial dos caras: www.apanhadorso.com

Myspace dos caras: www.myspace.com/apanhador

Trama Virtual dos caras:tramavirtual.uol.com.br/apanhador_so/

Um vídeo dos caras:

FEPAS CHOAL – Sonoridade de Vanguarda Capixaba

A viagem sonora começa na capital do Espírito Santo e vai até onde sua imaginação quiser! O álbum CMDO Guatemala tem caráter unitário: suas 10 faixas que estão grudadas nas transições e, em alguns momentos, remetem umas às outras. A pré-produção, que englobou todo o experimento, pesquisa, composição e construção dos elementos presentes no trabalho durou dois anos (no CMDO GUATEMALA, casa/república em que Fepas morou e trabalhou) e foi regada a Fela Kuti, Tom Zé, Alceu Valença, John Coltrane, Miles Davis, HC Itaparica e de sambinhas de roda que lotavam a casa. Alguns casos de improvisação, poesia encaixada com influências do afrobeat e samba, junto a trechos de ruídos urbanos e instrumentos diversos como Jaw Harp e pequenas flautinhas. Contou ainda com participações como Mozine no vocal esgoelado, Vitor Sá no sax e a amiga Aline Hrasko nos vocais. CMDO Guatemala foi gravado entre setembro e novembro de 2010, no Sítio Javali, Viana-ES, e nos estúdios da Expurgação em Vitória-ES.

Os caras do FEPAS CHOAL em ação!

Som garimpado e disponível para download no site da Trama Virtual. Vale muito a pena conhecer esses caras. Veja os lynks:

Site oficial dos caras: http://www.fepaschoal.com.br/

Myspace dos caras: http://www.myspace.com/fepaschoal

Trama Virtual dos caras: http://tramavirtual.uol.com.br/fepaschoalalal/

Um vídeo dos caras: